domingo, 20 de novembro de 2011

Ceroulas de látex.

Eu deixei de ter vergonha da humanidade porque, opa, fiz 30 anos e me liguei que estamos todos juntos de tanga roxa sambando ali no lamaçal, então guardei esse sentimento vexaminoso apenas para a rapaziada descolada que, a despeito das tatuagens e dos cortes de cabelo enigmáticos e supostamente futuristas, desceria o porrete na cabeça da amada a fim de torná-la sua senhora leiteira de oito tetas, 57 filhos e 912 doenças venéreas. Tudo isso numa caverna dúplex com cortinas de renda branca.  

O moderno e suas eternas ceroulas de látex.