terça-feira, 25 de outubro de 2011

No elevador.

No elevador, o menino argumentou que preferia ir brincar na casa do colega, que a lição ficava pra mais tarde. E a mãe respondeu a ele algo dramático e ridículo como "ah, não se deixa o futuro pra mais tarde". Talvez achando que impressionaria a mim e à senhora com cheiro de cigarro que tamborilava os dedos num tambor imaginário. E eu pensei em como algumas mães têm essa habilidade tão natural e intuitiva de forjar uma noção equivocada sobre o que é realmente importante - ignorando por completo tanta coisa tão escancaradamente visível.