segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Como é que se faz.

A feminista do mercadinho diz que vai trabalhar sempre, e muito, para mostrar a esses homens imbecis como é que se faz, e eu penso muito serenamente no quanto minha vida seria 650% mais agradável se as principais tarefas do meu cotidiano fossem tomar sorvete de morango, fotografar coisas que não fazem o menor sentido, cuidar das plantas e passar a tarde lendo na varanda. Trocaria facilmente meu direito de ser igual pelo direito de ser diferente, sem o menor constrangimento - e isso não significa que eu esteja infeliz com minha rotina atual, muito menos que eu queira ser dependente de alguém. 


No entanto, como a vida real nunca levou minhas pretensões a sério, o que tem para esta semana são dois documentários para traduzir, um livro para revisar, roupas para colocar na máquina e uns tantos problemas para resolver, envolvendo cobranças indevidas do plano de saúde, pagamentos que não recebi e formigas. Alegrai-vos.