sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Assim são as coisas.


Então (parece) é preciso dizer tudo, para não correr o risco de virar nada pela pura preguiça da rapaziada de lidar com um silêncio de 4 ou 5 segundos, ou de conversar sobre alguma coisa invisível que misteriosamente não tenha nada a ver com um umbigo largo e fundo. E eu não digo nada, e viro nada, e assim são as coisas.